O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






11/06/2007
RH » Carreira » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Empregabilidade: mito ou conceito – inclusão social

Por Suzana Franco Dórea para o RH.com.br

A presente abordagem, inédita no mercado de brasileiro, constata da utilização do termo empregabilidade como critério determinante na seleção de profissionais. As questões ligadas à aquisição e à manutenção do emprego vêm preocupando os indivíduos e as instituições devido ao desconhecimento sobre como funciona o mercado de trabalho e o que este fato valoriza.

Inserir-se e se manter no mercado de trabalho tornou-se um mérito, quase uma façanha. Estudos apontam diretrizes quanto à questão da Geração de Emprego e Renda, tendo como uma das conseqüências o desenvolvimento de Programas Sociais com esta finalidade.

Em pesquisa científica realizada por esta autora, constatou-se que o termo Empregabilidade é um jargão, pois não existe no dicionário da nossa língua vernácula e está, sobremaneira, sendo utilizado pelos empregadores nos processos de seleção, quando não possui legitimação teórica e prática.

Esta pesquisa envolveu profissionais empregados, profissionais desempregados e empregadores. Dentre as opiniões pesquisadas foram abordados temas como as características mais admiradas pelos empregadores, impacto da Revolução Tecnológica no mundo do trabalho e os motivos de não inserção de profissionais no mercado de trabalho. Observou-se, dentre outras informações, que existem divergências entre de opiniões entre as três categorias pesquisadas, o que dificulta o alinhamento de idéias entre profissionais empregados, profissionais desempregados e empregadores.

A partir deste nivelamento de idéias e percepções, indivíduos e organizações poderão compartilhar das informações coletadas sobre o assunto, minimizando suas diferenças e contribuindo para um melhor cenário social, político e econômico nesta esfera.

Percebeu-se que, na opinião dos profissionais desempregados, os motivos pela sua não inserção são originados por fatores externos à sua vontade tais como falta de vagas geradas pelas empresas e política de juros altos, entre outros.

A partir das constatações seria objetivo geral da autora realizar a projeção do indivíduo no mercado de trabalho, promovendo entre os agentes envolvidos o nivelamento do conceito de empregabilidade, dos mecanismos de formação do mercado de trabalho. As sugestões apontadas foram no sentido de enfatizar o processo de conexão dos profissionais com: os valores de significados do trabalho; analisar a definição e os critérios de aplicação da empregabilidade na seleção dos profissionais, através da pesquisa realizada; apresentar a opinião de profissionais e selecionados do mercado de trabalho, sobre o termo empregabilidade e a influência da tecnologia e da globalização na empregabilidade; entender como ocorre a reestruturação produtiva, tratando de modelos de gestão, emprego, trabalho, entre outros termos.

Conclui-se que a Empregabilidade, apesar de ser um tema atual, apresenta facetas contraditórias na sua definição e nos critérios práticos de aplicabilidade. Percebe-se que os próprios empregadores, dividem suas opiniões entre geração de novos cargos na empresa e o preparo do colaborador. Esta carência na abertura de novos cargos na empresa ou no mercado de trabalho, aliada à capacidade técnica, intelectual e emocional dos colaborados, considerando a economia, forma um cenário de reestruturação do emprego em nível mundial, onde existe um decréscimo no número de ocupações e um acréscimo de pessoas desocupadas.

Em relação ao preparo do colaborador, sabe-se que este precisa ter novos pré-requisitos que passaram a ser exigidos do indivíduo, após o processo da reestruturação produtiva, da inserção de novas tecnologias e da globalização.

Os profissionais empregados discordam, parcialmente, dos empregadores e se importam com a questão da experiência agregada aos conhecimentos adquiridos e a oportunidade de trabalho, sendo que a questão da experiência não é citada pelos empregadores.

O que se quer dizer é que de uma forma ou de outra o profissional, até o momento, tratado como desempregado, precisa estar presente no mercado de trabalho, ainda que seja para adquirir experiência e utilizar das vantagens de se incluir socialmente.

Palavras-chave: | empregabilidade | carreira |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
damiao soares braz em 21/10/2012:
Realmente o mercado está muito competitivo. Eu mesmo busco sempre e MAIS, a minha capacitação e o meu interesse pelo que eu faco hoje "farmácia e análises clínicas" de boa qualidade. Obrigado!

PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.