O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscrição com 10% de desconto para a Jornada de Liderança
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






14/11/2012
RH » Criatividade » Notícia Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Salários da indústria criativa são quase três vezes maiores do que a média nacional

Os profissionais da Indústria Criativa do Brasil, que atuam em áreas que têm a criatividade como parte principal do processo produtivo, como Artes; Música; Publicidade; Design; Moda; Engenharia e Computação, apresentam remuneração média quase três vezes maior do que a média nacional. Enquanto o rendimento mensal médio do trabalhador brasileiro é de R$ 1.733, o dos profissionais criativos chega a R$ 4.693. Os dados estão na terceira edição do estudo Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil, produzido pela FIRJAN (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

Lançada com pioneirismo pela FIRJAN no Brasil em 2008, a pesquisa traz um levantamento completo, com dados de 2011, sobre os catorze segmentos que integram a Indústria Criativa em todos os 26 estados brasileiros (além do Distrito Federal), revelando as dez maiores profissões criativas em âmbito nacional, as dez melhores remunerações, salário médio dos trabalhadores criativos por estado, quantidade de empregados por segmento, além da participação do PIB Criativo no país, com um comparativo internacional.

O mercado formal de trabalho do núcleo criativo é composto por 810 mil profissionais (1,7% do total de trabalhadores brasileiros). Há 243 mil empresas no núcleo da Indústria Criativa do Brasil, com um PIB equivalente a R$ 110 bilhões, 2,7% do total produzido no país. Isso revela que o Brasil está entre os maiores produtores de criatividade do mundo, na frente de países como Itália (PIB Criativo de R$ 102 bilhões) e Espanha (R$ 70 bilhões).

As 10 maiores profissões criativas do país

Arquitetos e Engenheiros estão no topo da lista como os profissionais mais numerosos da Indústria Criativa, com 229.877 empregados formais. Em seguida, com 50.440 trabalhadores, aparece o Programador de sistemas de informação.

Entre as dez profissões criativas mais numerosas do Brasil, quatro integram o segmento de Publicidade: Analista de negócios (3° lugar, com 45.324 funcionários); Analista de pesquisa e mercado (4° lugar, com 25.141); Gerente de marketing (5º lugar, 20.382) e Agente publicitário (8°, com 14.032 empregados).

Completam o Top 10 os profissionais de Designer gráfico (6° lugar, com 17.806 funcionários); Biólogo (7° lugar, 15.182); Gerente de pesquisa e desenvolvimento (9º lugar, 13.414) e Designer de calçados sob medida (10° lugar, 13.068), que atuam no segmento Moda.

Os 10 maiores salários criativos

Compostas por profissionais com elevado grau de formação, as atividades criativas, em sua maioria, contribuem para a geração de produtos de alto valor agregado, o que justifica os salários acima da média nacional. Geólogos e Geofísicos têm a maior remuneração entre as profissões criativas do país, com remuneração média de R$ 11.385, quase sete veze superior ao patamar nacional (R$ 1.733).

Na segunda e na terceira colocações, estão, respectivamente, Diretor de programas de televisão (R$ 10.753) e Ator (R$ 10.348). Depois, surgem, entre o quarto e o décimo lugares, em ordem de colocação: Biotecnologista (R$ 8.701); Diretor de redação (R$ 7.774); Editor de revista (R$ 7.594); Arquitetos e Engenheiros (7.524); Engenheiros Eletroeletrônicos e Computação (R$ 7.431); Autor roteirista (R$ 7.347) e Pesquisadores em geral (R$ 7.102).

Dos 14 segmentos criativos analisados pela pesquisa, a média salarial é acima da média nacional em 11 casos. Apenas as áreas de Filme & Vídeo (R$ 1.661); Moda (R$ 1.193) e Expressões Culturais (R$ 939) apresentam remunerações menores. Pesquisa & Desenvolvimento está no topo da lista como o segmento de maior salário médio, R$ 8.885, seguido por Arquitetura & Engenharia (R$ 7.518); Software, Computação & Telecom (R$ 4.536); Publicidade (R$ 4.462); Biotecnologia (R$ 4.258); Mercado Editorial (R$ 3.324); Artes Cênicas (R$ 2.767); Design (R$ 2.363); Artes (R$ 2.195); Televisão & Rádio (R$ 2.015) e Música (R$ 1.944).

Os segmentos de Pesquisa & Desenvolvimento e Biotecnologia integram pela primeira vez o estudo, como uma forma de alinhar a pesquisa brasileira aos estudos internacionais sobre o tema.

Rio de Janeiro: melhor remuneração para o profissional criativo

O salário médio dos trabalhadores criativos no Rio de Janeiro é de R$ 7.275, mais de quatro vezes superior à média nacional, o que consolida o estado como o que tem a melhor remuneração da Indústria Criativa do país. Em oito dos catorze segmentos analisados, os profissionais fluminenses ganham mais: Pesquisa & Desenvolvimento (R$ 12.036); Arquitetura & Engenharia (R$ 10.809); Artes Cênicas (R$ 7.015); Software, Computação e Telecom (R$ 5.820), Televisão & Rádio (R$ 4.709), Filme & Vídeo (R$ 3.671), Design (R$ 3.023) e Artes (R$ 2.954).

Entre as dez profissões mais bem remuneradas do Rio, destacam-se o Diretor de programas de televisão (R$ 24.495), Autores roteiristas (R$ 16.019) e Atores (R$ 15.923), além de Geólogos e Geofísicos (R$ 14.471). Outras duas profissões de destaque estão ligadas ao Mercado Editorial: Diretor de Redação (R$ 11.497) e Editor de Revista (R$ 10.003), refletindo a valorização dos profissionais de mídia no estado.

Na segunda posição entre as unidades federativas brasileiras com melhor remuneração entre as profissões criativas está o Distrito Federal, onde o salário médio de Mercado Editorial é o mais elevado do país: R$ 5.832. Em Arquitetura & Engenharia, vocação tradicional do estado, a remuneração média é de R$ 9.084, só perdendo para o estado do Rio.

Em terceiro lugar entre os estados brasileiros com maior salário criativo, São Paulo se destaca no segmento de Publicidade, cuja remuneração média é a maior do país: R$ 5.266 contra R$ 4.462 da média brasileira. As áreas de Pesquisa & Desenvolvimento (R$ 8.912) e Arquitetura & Engenharia (R$ 7.313) também têm salário muito valorizado no estado, ocupando o primeiro e o segundo lugares, respectivamente, como os segmentos com melhores salários.

A profissão criativa mais bem remunerada em São Paulo é Diretor de redação, com salário médio de R$ 14.508. Também chamam atenção os salários de Diretor teatral (R$ 8.998) e Diretor de programas de televisão (R$ 8.383).

No Amazonas, região de maior biodiversidade do planeta, a área de Biotecnologia é a mais bem paga do país, com salário de R$ 9.009, mais que o dobro da média nacional para o segmento (R$ 4.258). No estado, a área de Música também tem o maior salário do Brasil R$: 4.241 frente a R$ 1.944 da média nacional, com destaque para músicos intérpretes.

O estudo Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil pode ser acessado no site www.firjan.org.br/economiacriativa

 

FONTE: Assessoria de Imprensa Firjan

 

Palavras-chave: | FIRJAN | criativo | mercado de trabalho |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos

Programa de Autodesenvolvimento



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.