O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Conheça os cursos online e os eventos virtuais do RH.com.br
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






16/01/2009
RH » Desempenho » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Objetivos x Resultados

Por Luiz Carlos Moreno para o RH.com.br

Nós trabalhamos por objetivos ou por resultados? "Resultado" é a palavra de ordem na produção de bens e serviços. Resultado é conseqüência, efeito, seguimento. Amplamente conhecido como produto de uma operação matemática. Mas também empregamos o vocábulo para designar deliberação, decisão, resolução, termo, fim.

Nesta última concepção, a expressão talvez seja o resultado de todos os entendimentos organizacionais e estratégicos, porque se refere a lucro, proveito, ganhos, proventos. Enfim, de um termo técnico das Ciências Contábeis, lucro ou prejuízo de uma empresa em determinado exercício transformou-se em um indicador de competência humana amplamente cobrado e requisitado no mundo organizacional. Assim, ocorre com o conceito, uma perda inerente na vida prática, que nem todos percebem.

Afinal, porque pensar sobre o assunto, se o negócio é decidir com precisão e agir rapidamente. O resultado é um ingrediente, é fator componente, um parâmetro balizador, mas não é o objetivo. Em matemática, se diz que não é exato, mas é suficientemente correto para os fins a que se destina; aproximação. Então, qual a razão que leva os escritores e os gestores a enfatizar tanto a cobrança do resultado se ele não significa o "melhor possível"?

É apropriado pensar que as organizações - atualmente aceito a idéia de que elas são organismos vivos que interagem, aprendem e se adaptam ao ambiente - e pessoas têm objetivos, que em última instância é relativo ao objeto. Também se refere às coisas práticas, positivas. Como em filosofia sempre se vai além, diz-se do que é válido para todos, e não apenas para um indivíduo. E é neste último sentido que vale a referência às organizações como seres vivos, afinal, são constituídas por seres humanos que interagem para um objetivo.

Em verdade, na maioria das ocasiões, em vez de nos dedicarmos aos objetivos, as organizações, através de seus gestores, anunciam, propagam e cobram: "focar nos resultados". E estes, são componentes intercambiáveis do processo, fora dele nem fazem sentido, até porque adquirem rapidamente um contexto de passado.

Segundo a professora Regina Moraes - no livro "32 Tipos de Inteligências" - busca-se a solução, mas as respostas que encontramos não vão além do ponto de vista que temos sobre o assunto. Esta evidência é tratada com a imagem mítica de Sísifo - o fundador de Corinto.

Penso que as organizações geridas por gestores Zeus(es) oferecem as punições - na terra das empresas - àqueles que transgrediram as normas da gerência individualmente, ou equipe, isto é, não focaram, portanto não alcançaram os resultados. Por isso, estão condenados a rolar pedras montanha acima, que vão despencar - não dá para revogar a lei da gravidade. E recomeçaremos a jornada. Na prática, gestores estão fazendo isso: desligam os incompetentes - não foram orientados, não foram adequadamente avaliados e, portanto, não foram treinados - que não atingiram os resultados; contratam outros, outros, outros. E recomeçamos a jornada.

Segundo a interpretação de Albert Camus, "os deuses condenaram Sísifo a incessantemente rolar uma rocha até o topo de uma montanha, de onde a pedra cairia de volta devido ao seu próprio peso. Eles pensaram, com alguma razão, que não há punição mais terrível do que o trabalho inútil e sem esperança. Quanto a este mito, vê-se simplesmente todo o esforço de um corpo - mão-de-obra - esforçando-se para levantar a imensa pedra, rolá-la e empurrá-la ladeira acima centenas de vezes; vê-se o rosto comprimido, a face apertada contra a pedra, o ombro que escora a massa recoberta de terra, os pés apoiando, o impulso com os braços estendidos, a segurança totalmente humana de duas mãos cobertas de terra. Ao final deste longo esforço medido pelo espaço e tempo infinitos, o objetivo é atingido".

"O trabalhador de hoje trabalha todos os dias de sua vida nas mesmas tarefas, e seu destino não é menos absurdo. Mas é trágico apenas nos raros momentos em que ele toma consciência". Outra referência mitológica é que segundo o entendimento dos gregos antigos, o inferno é um lugar onde se realizam trabalhos infrutíferos. Quantas vezes, nos ambientes de trabalho as pessoas desabafam usando esta expressão?

Cogito a possibilidade: se as organizações, através de seus gestores, definissem mais claramente seus valores, políticas e missão, não enfatizassem tanto por resultados, pessoas e organizações atingiriam seus objetivos com mais competência, sentido de realização e felicidade.

E, concluímos com Camus: "Sempre se acha sua carga novamente. Mas Sísifo ensina a mais alta honestidade, que nega os deuses e ergue rochas. Ele também conclui que está tudo bem. A própria luta em direção às alturas é suficiente para preencher o coração de um homem".

Palavras-chave: | resultado |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Curso Online do RH.com.br

Curso Online do RH.com.br



PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.