O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Jornada Virtual de Liderança com 30% de desconto até 31/08
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






23/08/2000
RH » Desenvolvimento » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Um modelo de gestão de tecnologia orientado a resultados

Por Martius V. Rodriguez y Rodriguez para o RH.com.br

A proposta deste trabalho é o de apresentar um modelo de gestão orientado a resultados, para aplicação junto a Centros de Pesquisa e Empresas que possuam áreas específicas da Função Tecnologia, quais sejam: pesquisa, desenvolvimento e serviços técnicos de caráter inovador.

Dentro de um ambiente globalizado, onde as grandes empresas atuam como redes de inteligência buscando novos mercados e clientes, essas mesmas empresas precisam ser cada vez mais inovadoras, característica fundamental para a sua sobrevivência e maior competitividade. Nessas condições, é de grande importância a aplicação de um modelo de gestão orientado a resultado. Cooper e Kleinschmidt (1995) e Griffin (1997), entre outros autores, mostram que as companhias de melhor desempenho já aplicam de forma explícita técnicas de medição de desempenho das atividades de P&D.

O modelo proposto para a gestão da Função Tecnologia foi inspirado no modelo de gestão das organizações, além de estudos relacionados a indicadores da Função Tecnologia. É também apresentado um breve histórico do processo de inovação, situando o modelo proposto dentro de uma visão mais abrangente e, finalmente, é feita uma comparação entre o modelo proposto e o atualmente utilizado pelo Centro de Pesquisas da PETROBRAS, identificando as vantagens e os desafios a serem enfrentados para esta mudança.

Intodução
Com a evolução da Sociedade do Conhecimento (Sveiby, 1998) e a globalização da economia, novos desafios surgem para as Organizações e, em particular, para o gerenciamento da tecnologia.

Segundo estudo realizado nos Estados Unidos, para cada dezessete inovações de sucesso da década de 70, foi obtida uma taxa média de 56% de retorno dos investimentos. Valor este bem acima dos 16% de retorno em investimentos realizados em toda a atividade econômica norte-americana no mesmo período (Valéry, 1999).

O caso da empresa China Petrochimical Corporation – SINOPEC, é um bom exemplo de uma grande companhia que utiliza fortemente a área de P&D. Fundada em 1983 e atuando na área petrolífera, possui 80 unidades de negócio, três grandes institutos de pesquisa, além de 70 outros institutos ligados diretamente às Unidades de Negócio, com um total de 180 mil empregados e tendo no período de 1992-1997 desenvolvido 1334 novos produtos possuindo 1024 patentes, tendo obtido em cinco anos 56% de sucesso nos projetos de P&D, os quais foram industrializados e aplicados (Wu, 1997).

Um outro exemplo é a PETROBRAS, companhia petrolífera estatal atuante no Brasil, com um total de 38 mil empregados em 1998. Através do seu Centro de Pesquisas, criou mais de 600 patentes no período de 1988-1998, tendo obtido através dos projetos de P&D a liderança mundial em tecnologia de águas profundas, onde os projetos de P&D permitiram uma economia de US$ 4,54 para cada dólar investido, portanto um benefício potencial de grande atratividade (PETROBRAS,1998). Desde o início da evolução do homem, a inovação, ocorrendo de forma incremental (Schumpeter, 1959; Levinthal, 1990), tem tido um papel relevante para que o homem pudesse a cada momento usufruir de melhores condições de vida, conforme relata Peter Drucker:
"A capacidade de gerar riqueza cresceu 150 vezes nos últimos 150 anos. A maior parte desta riqueza foi gasta com o descaso" (Peter Drucker).

Neste novo ambiente de negócios, as Organizações precisam não somente terem agilidade para se manterem no mercado, como também precisam a cada momento inovar na sua gestão e, principalmente, no valor que agrega aos seus clientes, através dos seus produtos e serviços.

A seguir é apresentado um breve histórico da evolução das atividades de produção do conhecimento para então dentro do ambiente atual de modernidade, descrever a proposta de modelo de gestão de tecnologia, sendo entendido que tecnologia abrange as atividades de pesquisa, desenvolvimento, engenharia básica e serviços técnicos.

Modelo proposto da função tecnologia
De forma semelhante à construção do modelo de gestão das empresas, a Função Tecnologia precisa estar atenta ao mercado que propõe atender, possuindo como desafio adicional a construção de uma estratégia que permita gerar um retorno de investimentos no longo prazo. Ou seja, os investimentos possuem um tempo de retorno de médio a longo prazo, o que se traduz em uma necessidade permanente de se investir no presente para que a organização tenha chance de sobreviver no futuro.

Para a definição do Modelo de Gestão da FT devem ser definidos:
Missão: é a forma de resumir e sinalizar para todos da organização para onde a mesma está direcionada no curto e médio prazo. Assim, a missão deve conter os seus produtos e serviços, os seus clientes e o mercado em que atua. Anualmente, esta missão deve ser analisada no sentido de avaliar o quanto poderá ser aproximada mais da visão e da mesma forma a visão deverá ser avaliada. Antigamente a missão era definida como algo permanente, assim como a visão, mas dentro de um ambiente de mudanças rápidas e muitas vezes radicais (Kuhn, 1987) isto não é mais verdadeiro.

Visão: a definição da visão de futuro da FT é fundamental pois será a partir da mesma que será possível direcionar os esforços da organização para que este "sonho" seja alcançado. Um bom exemplo de visão de futuro é a elaborada pelo Presidente Kennedy que na década de 60 disse: "O nosso objetivo é levar um homem à Lua e trazê-lo de volta à Terra em segurança".

Objetivos: estes são definidos com base na visão anteriormente definida, ou seja, é a resultante do desdobramento da visão dentro de dimensões balanceadas definidas pela organização. Definindo como dimensões os interessados pela organização além dos seus produtos e serviços poderemos ter as dimensões: Acionistas, Clientes e Mercado, Fornecedores e Parceiros, Empregados, Processos e Produtos e Sociedade.

Valores e Cultura: os valores e a cultura organizacional dependem de cada organização, por isso é necessário que seja levantado junto aos empregados estas informações, verificando a necessidade ou não de agregar novos valores em função da visão de futuro. Estes novos valores poderão ser possíveis de serem incorporados à organização ou não. Em caso negativo deverá ser verificado que ações tomar, pois a mudança de valores e cultura pode ser alterada a partir da liderança, das pessoas da organização ou de pessoas de fora da organização. Como exemplos de valores podem ser listados: comprometimento com resultados, valorização do empregado, respeito aos clientes e sociedade.

Área de atuação: a área de atuação está relacionada diretamente com a visão de futuro e com as possibilidades relacionadas ao mercado atual. Deste modo, poderá ocorrer que seja definida uma nova área de atuação, como por exemplo: energia. Esta nova área de atuação poderá já possuir um mercado potencial de clientes ou poderá não existir ainda um mercado, nessa última condição, além das estratégias de desenvolvimento de novos produtos e serviços será necessário que existam estratégias para o desenvolvimento de um novo mercado para os novos produtos e serviços a serem oferecidos.

Princípios: é definido pela missão, visão, valores e políticas de gestão que está diretamente relacionada a forma de como a gestão da FT irá ocorrer, ou seja, dentro de um amplo conjunto de possibilidades na forma de gestão estas políticas irão servir de balizadores para a operacionalização dos processos e suas interfaces com outros organismos ou empresas. Um exemplo de políticas seria:
* Gestão compartilhada e parcerias.
* Centro de tecnologia cativo.
* Liderança mundial em tecnologia de petróleo.
* Abrangência do poço ao posto.

Gestão: é definido como o conjunto de processos que geram os produtos e serviços aos clientes, fortemente influenciados pelo comportamento das pessoas e pelo poder e responsabilidade outorgado às mesmas. As necessidades dos clientes e insumos suprem os processos da organização que geram resultados relacionados à qualidade, custo e atendimento para cada uma das dimensões definidas nos objetivos.

Avaliação do negócio e das pessoas: a avaliação do negócio deverá estar vinculado aos objetivos a serem atingidos, o que será detalhado nos próximos itens deste trabalho. Já a avaliação das pessoas estará diretamente ligado à sua efetividade no cumprimento das metas acordadas. Ou seja, poderá haver o caso em que o resultado do negócio seja ruim, até por uma estratégia da organização e o avaliação das pessoas seja ótima, pois conseguiram atingir as metas acordadas.

Para efeito da construção de um Modelo de Gestão da Função Tecnologia devem ser consideradas algumas das tendências para a Função Tecnologia, quais sejam:
* Gestão orientada a resultados: com a globalização da economia e a criação de um ambiente de maior competitividade, as empresas, conscientes da necessidade de inovação e renovação do conhecimento, começam a utilizar a função tecnologia como um diferencial competitivo dos seus negócios.
* Gestão do conhecimento: com a automatização dos processos rotineiros, ou seja, das rotinas físicas e intelectuais, caberá cada vez mais ao homem as tarefas de inovar e criar, além de planejar e analisar. Nesse contexto, a gestão de valores intangíveis e relacionados à inovação e ao conhecimento será um ponto de grande importância.
* Maior alinhamento com as áreas de negócio: com a redução das Organização através dos processos de downsizing e reengenharia, a área de P&D deverá atuar mais fortemente através de parcerias, com os clientes, fornecedores e concorrentes (Shu, 1997).
* Maior flexibilidade e agilidade: através da atuação em redes que possam garantir o foco nas competências essenciais dos seus clientes, proporcionando um atendimento dentro dos prazos, qualidade, atendimento, custo e segurança exigidos pelo cliente.
* Compartilhamento de riscos e tecnologia: com a redução da vida útil das novas tecnologias, a redução do tempo de P&D será viável através do compartilhamento dos riscos e da tecnologia, inclusive porque alguns consideram que o diferencial não está somente na tecnologia mas na capacidade e habilidade das pessoas a utilizarem (Shu, 1997).

Palavras-chave: | gestão | modelo | tecnologia | função |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Programa de Autodesenvolvimento

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.