O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
3ª Jornada Virtual de Liderança - 2014
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






17/07/2012
RH » Grupos » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Os conflitos de gerações nas empresas

Por Wellington Moreira para o RH.com.br

Pela primeira vez na história cinco gerações estão trabalhando simultaneamente nas companhias brasileiras e uma das principais razões deste fenômeno é que muitos profissionais têm adiado sua aposentadoria por diferentes motivos. Se trocavam o terno e o tailleur pelo pijama aos 50 anos, agora é comum concluírem suas carreiras depois dos 65.

No entanto, tamanha diversidade tem causado um efeito colateral: os conflitos de relacionamento. O que se vê na prática é que esses trabalhadores possuem perspectivas, aspirações e visões de mundo díspares que os levam a buscar o mesmo objetivo ao modo de cada um. Atitude que preocupa as empresas, principalmente aquelas que ainda não sabem lidar com este tipo de problema.

É claro que a faixa etária não é suficiente para caracterizar alguém como membro de uma determinada tribo, especialmente porque os paradigmas, os valores e as vivências históricas também precisam ser compartilhados. Assim, alguém pode fazer parte de uma geração e ter a idade comum a de integrantes de outra.

E quais são estas gerações? Os tradicionais são aqueles nascidos até 1950, que se dedicam integralmente ao trabalho, dão grande valor a todo tipo de sacrifício necessário para alcançarem seus propósitos, cultuam a hierarquia e compreendem que as recompensas muitas vezes demoram pra chegar. Seu lema preferido é: o dever vem antes do prazer.

Já os chamados baby-boomers são os profissionais que nasceram após a Segunda Guerra Mundial (de 1951 a 1964), tem por característica trabalharem com foco no curto prazo, são independentes, acreditam num mundo altamente competitivo e são revolucionários por natureza.

A Geração X, que nasceu entre 1965 e 1983 é formada por pessoas mais céticas, empreendedoras, que buscam o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, acreditam na liderança por meio da competência e trazem consigo o pragmatismo. Além disso, trata-se de um grupo marcado pela inserção das mulheres no mercado e que transformou muitos dos costumes da sociedade contemporânea.

Por sua vez, os integrantes da Geração Y, que vieram ao mundo entre 1984 e 1990, são otimistas, multifuncionais e aprenderam desde cedo a aceitarem a diversidade em suas relações cotidianas. Decididos e autoconfiantes, não pensam duas vezes em mudar de emprego quando já não consideram enfrentar desafios que os impulsionem e ainda têm pressa por galgarem novas posições.

E há também a Geração Z, que conta com profissionais de 17 a 20 anos de idade totalmente ligados à alta tecnologia, que aprenderam desde cedo a serem autodidatas e valorizam os relacionamentos virtuais, mas exatamente por causa disto também apresentam dificuldades quando precisam interagir presencialmente.

Qualquer empresa é capaz de perceber que estas diferentes gerações ajudam a compor o quadro ideal para competirem num mercado cada vez mais mutante. O maior desafio dos seus líderes é justamente criar o ambiente que possibilite às pessoas o espírito de tolerância para conviverem com aqueles que se guiam por outros paradigmas e, por isso, podem completá-los.

Na prática, mecanismos e ferramentas que facilitem o gerenciamento dos conflitos que nascem das discordâncias cotidianas entre gerentes mais velhos e subordinados mais novos - ou o inverso - e até entre os pares, já que muita energia é gasta desnecessariamente quando o trabalho precisa ser executado num ambiente de discórdia e conflitos disfuncionais periódicos.

Ao mesmo tempo, da próxima vez que você estiver com vontade de esgoelar o gerente de sua área ou a equipe toda que trabalha contigo por resistirem a perceber o mundo da mesma forma que você o vê, aproveite para rir de si mesmo. Talvez a visão míope seja a sua.

 

Palavras-chave: | conflito | equipe | geração X | geração Y | baby-boomers |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
Johnny Notariano em 19/07/2012:
Conflitos de gerações sempre existiu. Hoje a geração \Z\ parece desconhecer os direitos que tem. Preferem ser autônomos, claro que os empresários adoram, descartam todos os encargos. Um dia a \casa cai\ e aí? Convênios; benefícios? Família? Levados pelo entusiasmo do \hic et nunc\. O problema maior desses conflitos de época é o \bullyng \. Uma simples questão de \educar\. Educação para todos, e, incluir nos cursos profissionalizantes, relacionamento humano. Está na hora de as empresas começarem a exigir em seus contratos de trabalho, certificado de curso de \RELAÇÕES NO TRABALHO\, pelo menos para que os velhos sejam mais respeitados e vistos como \mestres\. Embora se viva em um época tulmutuada; caótica, pode-se tranquilamente investir realmente em seres humanos e não em robôs. É só deixar a ganância do lucro do lado. Do contrário, tudo se abismará em profundezas perigosas. Parabéns Wellington, entendi o texto, alguém como você precisa também fomentar a aceitação de várias gerações nas empresas. (Hoje não se aposentam definitivamente porque o que o Governo paga é uma vergonha)

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Programa de Autodesenvolvimento

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.