O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Participe do 8º Congresso de RH pela Internet.
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






26/06/2006
RH » Grupos » Entrevista Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Ferramenta facilita trabalho em equipe

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

A identificação das características pessoais pode ser uma alternativa para o fortalecimento das relações interpessoais, pois permite que a pessoa trabalhe seus potenciais e avalie que competências comportamentais precisam ser desenvolvidas. Segundo Carl Gustav Jung, as pessoas expressam suas preferências através de determinados comportamentos e isso, por sua vez, permite a classificação de tipos psicológicos. Contudo, para identificar as preferências de cada indivíduo é preciso recorrer a alguma metodologia. É exatamente baseado na visão de Jung que o MBTI (Myers-Briggs Type Indicator®) permite a melhoria dos relacionamentos interpessoais, a ampliação da capacidade de liderar eficazmente, a possibilidade de aprofundar o conhecimento de si mesmo e a criação de equipes de trabalho mais produtivas e participativas. Para falar sobre esse teste, o RH.com.br conversou a consultora e professora do MBA da FGV/SP em Gestão de Pessoas, Neusa Hirota, certificada nos Estados Unidos para utilizar a ferramenta. Segundo ela, o mau uso do MBTI pode levar a interpretações errôneas, estereotipia e julgamento equivocado, distorcendo totalmente a riqueza do instrumento. "Esse instrumento é o mais utilizado no mundo para o entendimento de diferenças entre indivíduos e para descoberta de novas maneiras de interação entre pessoas", ressalta. Na entrevista, Neusa Hirota fala mais sobre os objetivos desse instrumento, as vantagens e em que situação o mesmo pode ser aplicado. Confira e aproveite a leitura!

RH.com.br - Qual a origem e o conceito do MBTI?
Neusa Hirota - MBTI significa Indicador de Tipo Myers Briggs, em inglês, e é um instrumento para identificação de preferências de personalidade. Foi desenvolvido por Katharine Briggs e Isabel Briggs Myers, mãe e filha, com base na Teoria dos Tipos Psicológicos de Carl Gustav Jung. Jung foi um psiquiatra suíço que viveu entre 1875 e 1961, responsável por alguns dos trabalhos de maior influência na psicologia, dentre eles o conceito de tipologias de personalidade. Katharine Briggs começou sua pesquisa sobre tipos psicológicos em 1917 e criou o "Myers-Briggs Type Indicator®" com sua filha em 1942. Hoje, com mais de 50 anos de validação, o MBTI continua a ser o instrumento mais utilizado no mundo para o entendimento de diferenças entre indivíduos e para descoberta de novas maneiras de interação entre pessoas. Milhões de questionários são aplicados anualmente e muitas das empresas listadas pela Fortune 500 o utilizam sistematicamente. O uso no Brasil é recente, pois começou em 1995.

RH - Quais os principais objetivos do MBTI?
Neusa Hirota - O MBTI permite identificar preferências individuais através da seleção de quatro dicotomias, ou seja, preferências mutuamente excludentes. São elas: extroversão/introversão; sensação/intuição; pensamento/sentimento e julgamento/percepção. O MBTI pressupõe que as pessoas se utilizam de vários processos cognitivos, mas tendem a ter uma preferência entre as dicotomias citadas. O entendimento destas preferências e sua influência na interação podem ajudar o aumento de colaboração, propiciar melhoria de relacionamentos, produtividade e eficiência num ambiente de trabalho. As quatro dicotomias dão origem a 16 tipos, cada qual com características distintas, em função de sua combinação. Cada tipo tem qualidades, riquezas e possibilidades de desenvolvimento. Não há tipos bons ou ruins, melhores ou piores combinações. É importante lembrar que mesmo tendo o mesmo tipo, duas pessoas podem ter características diferentes em função de sua vivência única. Não há rótulos.

RH - Em que situações essa ferramenta pode ser aplicada?
Neusa Hirota - Por enfocar tendências de comportamento e as possíveis mudanças do indivíduo, seja por influência do meio, seja por opção, o MBTI aplica-se a uma grande variedade de situações, como, por exemplo: autoconhecimento e desenvolvimento; formação e desenvolvimento de equipes; desenvolvimento de lideranças; melhoria de comunicação; orientação de carreira; melhoria de relacionamentos e gerenciamento de conflitos.

RH - Como o MBTI pode ser utilizado no dia-a-dia corporativo?
Neusa Hirota - O MBTI oferece resultados imediatos, pois permite ao indivíduo optar por mudar ou melhorar conscientemente. Ao entender suas preferências comportamentais, as pessoas tendem a compreender-se e se relacionar melhor. Foi traduzido em 16 idiomas e há várias empresas no mundo que o utilizam para as várias finalidades citadas anteriormente. No Brasil, por exemplo, sei que a Serasa o aplica para desenvolvimento de seus líderes.

RH - Quem pode conduzir sua aplicação?
Neusa Hirota - Somente profissionais certificados devem aplicar o MBTI, pois o processo não se limita à identificação do tipo psicológico. Deve haver uma orientação antes da aplicação sobre a ferramenta e seus objetivos, além de um debrief ou devolutiva ao indivíduo depois de identificado seu tipo. Eu me certifiquei no MBTI Step II (nível II), nos Estados Unidos, há dois anos e tivemos estudos aprofundados, exames e extensiva orientação para utilizá-lo. Aprendemos, inclusive, a fundamentação estatística da ferramenta.

RH - Que cuidados são necessários durante a aplicação do MBTI?
Neusa Hirota - Primeiramente, o indivíduo deve dedicar-se exclusivamente ao questionário, escolhendo a alternativa que lhe pareça mais verdadeira à sua realidade, não o que gostaria que fosse. Devem-se evitar interrupções e não se deve respondê-lo juntamente com outras atividades. É importante lembrar que o tipo não explica tudo, pois a personalidade humana é demasiada complexa. Lembro que o MBTI não mede competências ou habilidades, apenas preferências.

RH - O MBTI também pode ser usado para o alinhamento das equipes. Como essa ferramenta pode ser trabalhada com essa finalidade?
Neusa Hirota - Atualmente, estou fazendo um trabalho bastante interessante para o alinhamento de uma equipe com líderes de oito países na América Latina. Aplicarei o MBTI e, juntamente com o grupo, mapearemos forças, oportunidades de desenvolvimento e melhoria de comunicação, tanto individualmente como pelo perfil geral apresentado. Como se trata de uma área criada recentemente, o impacto deste trabalho terá grande visibilidade em toda organização. Pela melhoria da sinergia no grupo, entendo estar contribuindo com seus resultados e o negócio.

RH - Quais as vantagens que o MBTI oferece à empresa?
Neusa Hirota - O MBTI se diferencia por sua multiplicidade de usos, facilidade de aplicação e de compreensão. A flexibilidade também é um ponto forte, pois por entender que as pessoas mudam, permite a reaplicação do questionário. Recomenda-se um intervalo mínimo de dois anos para a reaplicação. E, por ser uma ferramenta de uso global, disponível em 16 idiomas e ajustado estatisticamente por culturas e contextos, tem menor margem de distorção, por exemplo, por diferenças regionais. Assim, uma empresa pode desenvolver seus líderes e equipes, desenvolver e reter talentos em âmbito local e global.

RH - O MBTI oferece benefícios específicos aos profissionais?
Neusa Hirota - Quem entende o MBTI passa a ver as pessoas com outros olhos, pois, com alguma prática, intuitivamente percebe o tipo de outras pessoas, podendo melhorar sua interação. Se, por exemplo, um profissional de vendas reconhece no cliente um determinado tipo MBTI, certamente obterá maior empatia com comportamentos compatíveis àquele tipo. Um gerente poderá obter melhores resultados de seus subordinados pela compreensão de suas motivações, processos de busca de informações e tomada de decisões, propiciados pelo MBTI. De maneira geral, o MBTI proporciona autoconhecimento e a apreciação dos talentos e qualidades dos demais, conseqüentemente, facilitando relacionamentos interpessoais. Dado que são os relacionamentos que mobilizam o mundo das pessoas e dos negócios, fica claro que os benefícios da ferramenta são bastante amplos.

RH - Qual o diferencial dessa ferramenta em relação a outras que se encontram no mercado?
Neusa Hirota - O MBTI difere de provas e testes padronizados que buscam medir características específicas, como por exemplo, inteligência - testes de QI. Em vez disso, baseia-se em quatro dicotomias e através delas objetiva identificar os tipos das pessoas, pressupondo que os tipos e suas preferências comportamentais são inatos, porém, podendo modificar-se ao longo do tempo, seja por influências do meio, seja por decisão do indivíduo em mudar, adaptar-se ou desenvolver novos comportamentos. O MBTI contribui para o aumento da inteligência emocional, pois permite ao indivíduo aumentar sua empatia e controlar de impulsos. E se acredita que a inteligência emocional incremente a liderança, enriqueça relacionamentos e aumente a influência.

RH - O MBTI oferece margens de erro?
Neusa Hirota - Como todo instrumento que dependa das respostas recebidas, a precisão do MBTI pode ser influenciada caso quem o responda se deixe influenciar por opiniões e desejos ao invés de preferências reais do dia-a-dia. Porém, de maneira geral, o resultado é bastante preciso e os coeficientes de correlação de vários estudos - teste-reteste - indicam uma variação de 0.83 a 0.97 numa escala de zero a um.

Palavras-chave: | Neusa Hirota | MBTI | grupo |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (0)
Ainda não há comentários.

Seja o primeiro, clique no ícone disponível logo acima e faça seus comentários.
 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

8º ConviRH

Seminários RH.com.br



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.