O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscrição com 20% de desconto para a Jornada de Liderança
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






03/02/2004
RH » Liderança » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

O papel do gerente de RH

Por Salvatore Morana para o RH.com.br

Você, como gerente de RH, pode opinar sobre certas colocações. O que você acha das afirmações a seguir?

Há duas formas para se conduzir uma empresa:
* pelo gerenciamento tradicional, baseado em conceitos de hierarquia, jogos de empresa, rotinas, domínio do mercado pela tecnologia e pelas atividades de marketing;
* pelo gerenciamento estratégico voltado a aumentar o lucro da empresa, tornando todas as atividades apenas instrumentais face aos objetivos dos donos.

Entretanto, os empresários que optarem por aumentar o lucro das suas empresas precisam sujeitar-se a um conjunto de atividades essenciais:
* implantar os 14 instrumentos gerenciais-estratégicos;
* treinar para saber utilizá-los na prática;
* treinar seus executivos, para que ocorra uma mudança profunda da sua cultura, tornando-os produtores de lucro;
* implantar o trabalho em pequenas equipes, eliminando-se todos os conceitos hierárquicos tradicionais e tornando as metas a serem alcançadas em determinantes do comportamento;
* implantar o sistema para gerenciamento total inteligente que tem como efeito, uma drástica redução do custo fixo administrativo;
* implantar o treinamento técnico por meio de filmes de vídeo;
* destruir as rotinas com base no principio: "se funciona é obsoleto e deve ser mudado".

Todas essas atividades exigem que o gerente de Recursos Humanos atue intensamente no processo, pois que, na nossa opinião, a mudança de cultura é o seu campo principal de atuação. É claro que alguns gerentes de RH questionam o seu envolvimento na mudança da cultura da empresa. Qual é a sua opinião pessoal a esse respeito? Gostaria de conhecê-la.

No gerenciamento estratégico, o gerente de RH não é apenas um administrador de rotinas relacionadas com o pessoal e um defensor do bem-estar dos empregados. Ele é o coordenador do processo para implantar a cultura do lucro. Isto é feito por meio de reuniões semanais onde se debatem conceitos, mas, principalmente, executam-se tarefas para implantar a nova cultura.

Todas as atividades voltadas a aumentar o lucro da empresa dependem do comportamento dos seres humanos que atuam nela. Se o clima na empresa é de desdenho pelos resultados - as pessoas trabalham o menos possível para obter um salário - o que será obtido é o pior resultado possível. Se as pessoas que trabalham na empresa estão desmotivadas, contrariadas, irritadas, se não gostam do que fazem, não se pode esperar bons resultados.

Conseqüentemente, todo o trabalho para implantar a cultura do lucro na empresa depende do gerente de RH entender seu papel no processo. Sem essa compreensão profunda dos objetivos a serem alcançados - principalmente dos objetivos não mensuráveis - é melhor nem começar.

Uma característica muito importante do processo para implantar a cultura do lucro, numa empresa, é o método não invasivo. Muitas empresas gastaram fortunas com consultores e lamentaram que os resultados esperados não foram alcançados. Isso se deve ao fato que os consultores tradicionais invadem as empresas, assumem papéis que são dos executivos, passam a ser detestados por esses pela diferença de tratamento e de renda. Esses os temem, boicotam-os, fornecem-lhes informações desorientadoras e se divertem quando os consultores fracassam.

Pelo método não invasivo, o consultor é praticamente invisível. Ele trabalha principalmente por e-mail e telefone, com raros comparecimentos à empresa para falar com os diretores e com o gerente de Recursos Humanos e, preferivelmente, essas reuniões são conduzidas fora da empresa, para que os participantes dos trabalhos tenham a percepção de quem manda executar tarefas novas, gastar tempo com leituras e respostas a questionários, são os diretores e o gerente de Recursos Humanos e não pessoas estranhas à empresa, para com as quais não sentem qualquer afinidade.

Uma critica que se faz ao sistema não invasivo é que aumenta o trabalho dos diretores e do gerente de RH para a mudança de cultura. Porém, caso não exista envolvimento profundo desses com o processo, os resultados, se houver, serão mínimos ou nulos. O mundo mudou profundamente nos últimos 20 anos. Os empresários que não mudarem desaparecerão, por isso o papel de gerente de Recursos Humanos é fundamental para a sobrevivência da empresa. O que você acha disso tudo?

Palavras-chave: | gerente | líder |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
Jorge da SILVA em 27/10/2010:
Nossa! Isso me ajudou muito. Obrigado e parabéns pelo trabalho. ÓTIMO...ÓTIMO. Abraços.

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos

Programa de Autodesenvolvimento



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.