O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscreva-se para a 2ª turma da Jornada de Liderança.
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






06/02/2006
RH » Liderança » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Hitler e gestores

Por Ana Maria Chagas para o RH.com.br

Assisti ao filme "A Queda" e identifiquei nele a gestão atual, dentro de qualquer empresa. Hitler estava acostumado a ser obedecido, premiava seus seguidores fiéis e castigava duramente os críticos e esse foi um dos motivos de não conseguir administrar a invasão dos russos a Berlim. Não estava acostumado a ser contrariado e, mesmo em perigo, só quis ouvir aqueles que estavam acostumados a não contestar seus planos e suas ordens. A melhor solução poderia vir de alguém que estava ao seu lado, mas o medo e a repressão fizeram com que todos se calassem. Exatamente assim tem funcionado o ambiente empresarial, entre gestores e empregados.

O poder atrai aduladores, prontos a atendê-lo nos mínimos desejos, mas, por outro lado, estão prontos também a entregar os colegas que não seguem suas regras, a buscar os pontos fracos dos que se destacam - para que não passem ao grau de adulador sênior que eles tão duramente alcançaram, porque sacrificam suas famílias, sacrificam seus horários de almoço, de sono, sacrificam sua personalidade, seus valores, seus sonhos. Tudo em função de formar uma empatia tão perfeita com seu líder, a ponto de virarem gêmeos, quase seres clonados. E essa empatia é recompensada, enquanto que a individualidade pode ser duramente castigada.

Conheci casos como esse que se tornaram tão sérios, que na perda ou substituição do líder, essas pessoas já não sabiam nem mais quem eram. Outras, já mais acostumadas ao jogo, logo se identificaram com o novo líder, prontos a substituir a personalidade anterior, assumindo a do novo líder, tornando-se robôs programados para aceitar novas configurações de uso.

Hitler não quis ouvir que estava em perigo. Não quis ouvir que ia perder Berlim para os russos. Não quis ouvir que seus generais estavam se entregando. Não perdoava quem não seguisse suas ordens finais, mesmo quando já desesperado por não conseguir manter o controle da situação. Não quis ouvir os conselhos que poderiam vir a salvá-lo.
Graças a Deus! Pois foi assim que nos livramos de um grande ditador sanguinário.

Os líderes atuais devem saber que sempre irão encontrar em sua equipe, pessoas que vão contrariar suas idéias. E que grande ganho teriam se prestassem mais atenção no que elas têm a dizer. Contrariar nem sempre é sinônimo de intromissão, má vontade, desmotivação ou ironia. Nem sempre uma crítica vem para prejudicar um projeto. Muitas vezes, o ser crítico (apelidado de "cri-cri", "urubulino" etc), quer apenas ajudar. Aliás, anseia por ajudar. Vê que tudo está prestes a cair "nas mãos do inimigo" e tenta mostrar de todas as formas os erros que podem colocar todo um planejamento a perder.

Cuidado, líderes! Os empregados críticos advertem: o mau uso do poder pode deixá-los surdos! Olhem ao seu redor! Aproximem-se daquele que critica, porque é dele que vão ouvir as verdades que precisam ouvir, ver os erros que cometem ou possam vir a cometer. Os líderes que só ouvem aqueles que estão sempre concordando com tudo, elogiando e "endeusando" suas opiniões e decisões, perdem a oportunidade de conhecer seus pontos fracos, se sentindo infalíveis, o que os impedirá de se prevenir para possíveis falhas que possam fugir ao seu controle e por todo um projeto a perder.

O gestor, não é um escolhido por Deus, que ao assumir uma liderança, recebe o dom divino da verdade, onipotência e inteligência suprema. Ao se tornar líder, o sujeito não recebe "um raio vindo do céu, caindo diretamente sobre seu crânio, enchendo-o de sabedoria e justiça infinitas". Ele recebe, na verdade, é uma carga de vaidade, que vai crescendo com o ajuda dos que o rodeiam, para que se beneficiem de toda sua "glória e poder".

Workshop? Trabalho em equipe? Esses termos foram criados para quê, afinal? Por que são tão propagados pelos consultores, livros, artigos e sites sobre gestão de RH, se na prática, não funcionam como deveriam? Sabe como tem acontecido realmente? "Eu, gestor, planejo tudo e vocês, empregados, devem executar e me obedecer fielmente". E, ai daqueles que levantam o dedinho pra opinar contra qualquer ponto e vírgula.

Sabe quando gestores desse tipo chamam a equipe? Quando o projeto tem um mau resultado! Porque só compartilham o fracasso. Talvez, para dividir a culpa ou, pior, colocar a culpa naquele que levantou o dedinho na reunião.

Previnam-se da vaidade, líderes!
Ou, como Hitler, acabarão sozinhos ou seguidos por poucos fiéis servidores, tão perdidos quanto vocês, olhando atônitos para seus planos, sem entender (ainda!) o que pode ter dado errado.

Palavras-chave: | líder | liderança | Hitler |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (4)
Jaques Shiro Yamazaki em 28/03/2012:
A comparação com Hitler, não achei que foi das melhores, porque acaba colocando na cabeça das pessoas que o chefe sem liderança se torna um Hitler, e nem sempre e assim, existem pessoas que por serem boas e não saberem impor, não conseguem fazer seus subordinados atenderem aos pedidos e essas nem sempre são arrogantes e mesmo se parecem com Hitler. No livro LIderança segundo Abraham Lincoln de Donald t. Phillips ele descreve uma forma de liderar onde as pessoas sentem confiança de seguir o lider, pois esse faz parte do todo. Quero dizer que acredito na evolução do ser humano, por isso prefiro mostrar aonde ele pode chegar se quiser melhorar, em vez de compará-lo a uma figura bizarra como Hitler. Abraços e parabéns pelo site

Paulo Sprenger.: em 10/07/2011:
Bom Dia, mas Bom Dia Mesmo ! Blz de texto muito bem descrito por esta irmã Dra. ANA MARIA CHAGAS que merece os parabéns pela tese contextualizada com brilhante lucidez à muitos paradigmas (Conjuntos de crenças ou verdades relacionadas entre si_ e pior, acreditadas assim o serem – estado de raport estabelecido) hodiernos. PAX ! PauloRASprenger.:

Alex Alamino em 29/01/2010:
Querida Ana Maria, parabéns pelo artigo e pela clareza na exposição. Pode parecer óbvio todo e qualquer tema relacionado a Liderança, mas por sorte, teremos sempre uma "Ana Maria" que nos lembre do essencial com novas e oportunas palavras. Para você e a todos que se interessaram pelo assunto, sugiro a leitura de Líderes, estratégias para assumir a verdadeira liderança, de Warren Bennis e Burt Nanus, editora Harbra. "chefes são obedecidos, líderes são respeitados". Abcs. Alex Alamino

Ruth Muraro em 24/01/2010:
Sem medo do lugar comum.. MANDA QUEM PODE, OBEDECE QUEM TEM JUÍZO..." Os que assim se comportam são os sociopatas de plantão em um grande número de organizações. Quanto mais infelicidade plantam mais felizes ficam. A infelicidade alheia é a razão da própria existência destes individuos, de aparencia física diversa, mas com o mesmo dircurso, jeitos e trejeitos. Parabéns Ana Maria!!!! Ruth Muraro

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Programa de Autodesenvolvimento

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.