O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscrição com 20% de desconto para a Jornada de Liderança
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






27/10/2008
RH » Motivação » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Motivação no ambiente organizacional

Por Marcelo Marques Mota para o RH.com.br

Atualmente se discute bastante sobre o tema “Motivação”. E não é por menos, pois está cada vez mais comprovado que as empresas vêm apresentando carências nessa questão. Isso se deve a esse mundo conturbado, conseqüência de um capitalismo cada vez mais “selvagem”. A cada dia que passa, a economia global vai se tornando ainda mais competitiva. Essa concorrência está deixando as pessoas ainda mais assustadas, pois o mercado de trabalho vem oferecendo menos ofertas. A situação se complica quando o candidato não apresenta uma qualificação compatível a uma função almejada.

Para tentar entender um pouco sobre o assunto, é importante saber o conceito dessa palavra que tanto se fala, mas poucos a valorizam. Não há apenas um único nome que defina motivação. Sua definição é muito complexa. A própria denominação sugere ser um motivo para uma ação. Esse motivo está relacionado ao aspecto psicológico de cada um. Alguns autores as definem como causa de um comportamento ou conjunto de forças internas que orientam a conduta de um indivíduo para determinado objetivo ou processo psicológico que leva uma pessoa a fazer esforços para obter certo resultado.

No início da década de 1990, a economia iniciou uma tendência à globalização, ou seja, abertura para o mercado externo. Essa tendência se confirmou por volta de 1994 com a estabilização da moeda, migrando para o Real. A partir desse momento, onde o Dólar ficou de igual valor com a moeda brasileira, muitas empresas multinacionais se instalaram no país, atraídas pela estabilidade econômica. Com isso, o mercado ganhou também mão-de-obra qualificada. Começou então uma maior preocupação dos nossos profissionais a se qualificarem para enfrentar a concorrência estrangeira.

Estávamos na era da globalização, onde a qualidade era o requisito mínimo para entrar em um mercado altamente competitivo. Aumentou a carência de profissionais capacitados, os famosos enxugamentos ocorreram assustadoramente. Estávamos vivendo uma realidade da qual havia ofertas de emprego, mas faltavam profissionais habilitados para as vagas. As empresas estavam preocupadas em oferecer diferenciais competitivos para conquistar mercados.

Capital Humano, o maior ativo das empresas - Pode-se dizer que a globalização foi traumática para muitas pessoas em seu início, mas a recompensa em longo prazo apareceu. Hoje podemos contar com profissionais cada vez mais qualificados ao mutante mercado de trabalho. As organizações perceberam isso e estão atribuindo um maior valor aos seus profissionais, no entanto, as cobranças aumentaram, sendo essas por resultados quase sempre a curtíssimos prazos. A famosa frase “É para ontem” começou a ganhar maiores conotações. Isso aumentou o número de estresse entre as pessoas, devido às preocupações constantes. Apesar de atribuir um maior valor aos seus profissionais, as corporações começaram a exigir muito e se preocupar pouco com a saúde de seus colaboradores. Como conseqüência, o número de doenças relacionadas ao estresse começou a aumentar.

Importância da motivação - Percebe-se a importância de uma pessoa motivada quando encontramos um ambiente agradável para poder desenvolver as tarefas do dia-a-dia. Passamos boa parte de nossas vidas dentro de nossas empresas. Podemos considerá-la nossa segunda casa. É importante, portanto, fazer desse ambiente um local agradável para a convivência com as demais pessoas. Um ambiente mais tranqüilo facilita um melhor trabalho em equipe, aumentando assim a sinergia entre os colaboradores, propiciando também uma relação mais saudável entre os colegas. Os resultados almejados pela organização tendem a aparecer naturalmente, como conseqüência dessa boa relação de um ambiente mais agradável.

Mas como toda cobrança que existe e os constantes compromissos intermináveis, não é tarefa fácil manter um ambiente sempre motivado. São necessários os “combustíveis” fundamentais para a sua manutenção. Esses combustíveis são ações feitas pela organização sempre em prol de um ambiente propício à execução das tarefas. Atividades como, por exemplo, integrações realizadas de tempos em tempos abordando temas que enfatizem a política motivacional, ginástica laboral, um espaço para lazer ou descanso, entre outras ações que possam colaborar com um melhor clima organizacional.

Existem, portanto, variadas formas de trabalhar os aspectos motivacionais de uma equipe. Algumas empresas, por exemplo, tem seus grupos de teatro, o dia da piada, valorizando, assim, o bom humor. Quanto essa questão do bom humor, está comprovado cientificamente que o humor diminui o número de pessoas estressadas, colaborando também para o aumento da produtividade. Então, como diz o ditado, não podemos deixar a “peteca cair”, vamos trabalhar em prol de nossa produção. Para isso, vamos “alimentar” nossos colaboradores com o cardápio motivação.

 

Palavras-chave: | motivação | clima organizacional | plano motivacional |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (2)
ANGELA PAES em 06/05/2009:
O artigo é muito bom. Parabéns. Gostaria de destacar alguns aspectos: 1- no mercado é muito comum a confusão entre ESTIMULAÇÃO E MOTIVAÇÃO. São dois conceitos totalmente distintos, o que faria uma enorme diferença no entendimento do termo em questão (mot). 2-a motivação não é um fenômeno que se generaliza no comportamento humano. Assim, não podemos afirmar que "fulano está ou não motivado". Se assim o fosse, apresentaríamos performances inimagináveis. A motivação não é um fenômeno tão comum, daí a necessidade premente em buscá-la. 3- não podemos esperar encontrar uma relação direta entre valores que assumimos e motivação. A natureza desse fenômeno é bem mais complexa. 4-a motivação não depende da força das nossas necessidades. 5- há que se distinguir as necessidades fisiológicas e o valores ou motivos no estudo da motivação. São elementos de natureza e modos de funcionamento que guardam suas respectivas peculiaridades. Ex, motivos sempre serão relativos e não imperiosos quanto aqueles determinados pelos eventos fisiológicas, tais como sede, fome, sono, etc. Muito obrigada. Sucesso. Angela Paes!

silvio em 05/04/2009:
Olá amigo...Muito interessante seu trabalho.... Parabéns.........só gostaria de saber se tem alguma bibliografia, ou se é de sua autoria?

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos

Programa de Autodesenvolvimento



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.