O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Participe do 8º Congresso de RH pela Internet.
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






19/04/2010
RH » Qualidade de Vida » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

A ansiedade e a depressão na empresa

Por Paulo César T. Ribeiro para o RH.com.br

A sua empresa é daquelas que, face à pressão por resultados imediatos, pouco tem focalizado a atenção ao fato de que as pessoas se sentem ansiosas, inseguras, desgastadas e perplexas em muitos momentos de suas vidas? Ou faz parte do rol de empresas que entende que, por serem constituídas de pessoas, podem se tornar (corporativamente) deprimidas, sofrerem de pânico, fobias e outros transtornos psicológicos?

Pois saiba que, desde a década de 80, quando as pessoas começaram a tomar consciência de que as suas escalas de prioridades apresentavam distorções, a auto-estima, a autoconfiança, o culto ao corpo, a felicidade e a plenitude assumiram posições de maior importância, inclusive nas empresas, as quais, tornando-se conscientes que não há linhas divisórias entre o ser humano e o profissional, estão abrindo espaço para o "humano" dos seus colaboradores. Afinal, qualidade de vida e felicidade são tão importantes quanto tecnologia e métodos de auditoria, quando se pensa em resultados e produtividade.

Um dos disparadores desta conscientização foi o reconhecimento de que a ansiedade e o estresse não são patrimônios exclusivos de executivos atarefados e de que a competitividade acabou substituindo a colaboração, o que é um paradoxo se levarmos em conta que vivemos na época do trabalho em equipe; isso e muitas outras variáveis aumentam o grau de ansiedade (temor indefinido experimentado como expectativa do pior) dos profissionais nas empresas como também as frustrações.

Para as empresas, que tanto sonham com profissionais comprometidos e engajados com seus resultados, ter um ambiente hostil é o mesmo que "dar um tiro no pé", pois a ansiedade gerada é apenas o ponto de partida a um atalho que conduz ao tédio. A ansiedade e/ou os ataques de pânico, conduzem a certo cansaço psicológico que plana sobre um sentimento de vazio e neutralidade perante tudo quanto rodeia o indivíduo.

O quadro pode agravar-se para a depressão, o Mal do Século e, em breve, a segunda doença em número de ocorrências em todo o mundo. É uma doença "do organismo como um todo", que compromete o físico, o humor e, em consequência, o pensamento. Como altera a maneira como a pessoa vê o mundo e sente a realidade, entende as coisas, manifesta emoções, sente a disposição e o prazer com a vida, pode-se dizer que altera, da mesma forma, a empresa onde trabalha. Ela traz muitas outras manifestações comportamentais que podem prejudicar o esforço pelos resultados empresariais, tais como "fracassomania", inveja, oposição neurótica, estresse, paranóia, hostilidade, intolerância às críticas, necessidade de poder, inimizades etc. Há, ainda, os "fantasmas" do corpo que tanto influenciam a auto-estima e a vaidade humana.

Não se pretende tomar por depressão qualquer sintoma consequente de dificuldades e frustrações do dia a dia, aos aborrecimentos a que todos estamos sujeitos ou às reações às queixas dos chefes sobre as performances dos funcionários. É uma doença afetiva (ou do humor), e não é, simplesmente, estar com "baixo astral" passageiro. Também não é sinal de fraqueza ou de falta de pensamentos positivos, mas as consequências podem ser muito negativas para as empresas, como alguns exemplos abaixo:
- A auto-imagem e a auto-estima destas pessoas costumam estarem francamente deterioradas a ponto de não se verem capazes de realizar suas tarefas ou novos desafios.
- O paciente depressivo tende a se isolar afetando a comunicação interna e a qualidade do trabalho em equipe.
- A depressão pode evoluir para a síndrome de pânico ou outras fobias paralisando o funcionário nas situações de maior pressão.
- O funcionário poderá apresentar transtorno somatomorfo, isto é, uma resposta emocional a uma vivência traumática que se caracteriza por um salto do psíquico para o orgânico, com predominância de queixas relacionadas aos órgãos e sistemas como, por exemplo, queixas cardiovasculares, digestivas, respiratórias, genito-urinárias etc. Ou seja, manifestará no corpo, em forma de doenças, a ansiedade e/ou a depressão (ou outros transtornos psi's), podendo ser frequentemente afastado de suas atividades.
- A ansiedade é um quadro que poderá evoluir para o consumo excessivo de álcool e/ou drogas.
- Muitas vezes somam-se os sintomas de persecutoriedade, ou seja, de ser perseguido e isso pode alterar negativamente o clima entre os funcionários e gerar sérios conflitos individuais ou grupais.

Enfim, não apenas importante, é imprescindível que a empresa cuide da saúde psicológica de suas equipes de trabalho. Sentimentos como raiva, tristeza ou frustração, quando ignorados, podem drenar a vitalidade dos profissionais e minar a competitividade da empresa, logo, administrá-los é crítico para as empresas. Segundo Peter Frost, psicólogo sul-africano radicado nos EUA, "o sofrimento é um subproduto inevitável da rotina dos negócios. Administrar mudanças, liderar projetos, criar produtos ou buscar resultados sempre levará os profissionais a algum nível de sofrimento. O problema existe quando as organizações não dão importância a essa questão e não criam formas de filtrar o sofrimento".

Portanto, em empresas problemáticas, eles se transformam num veneno que mina a auto-estima e afeta a confiança dos funcionários - neles próprios e na empresa, tendo como conseqüências, a perda de produtividade à debandada de talentos.

 

Palavras-chave: | qualidade de vida no trabalho | saúde |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (5)
Bruno em 11/01/2011:
Muito bom o artigo. O mundo corporativo está cada vez mais competitivo e as necessidades do ser humano estão ficando para segundo plano. O interesse pessoal e a inveja acabam corrompendo o que há de melhor dentro de cada pessoa e nem todos estão preparados para lidar com isso.

Carlos Santiago Junior em 02/05/2010:
Muito pertinente este artigo. Não quero expressar uma opinião deturpada, mas para quem já esteve num "barco" como este, sabe o quanto é difícil quando o leme está nas mãos de quem não vê o "ser humano". Se esquece que tem filhos, netos, esposa, e talvez amigos. Propicia a infelicidade de muitos em detrimento de "objetivos". Quantos bons colaboradores serão perdidos e quantos sairão doentes, e por muito tempo poderão sentir o reflexo desta paranóia. Que seu trabalho seja compensado, Amém.

Andréia Santos em 24/04/2010:
Muito pertinente este texto. Confesso adorei e me senti defendida por este profissional que escreveu o texto. Este texto serve como estudo de caso dentro das empresas pelas lideranças. Concordo com o Sr. Alberto, pois a cultura organizacional existente no Brasil, ainda é voltada para a valorização dos "puxas-sacos" e não dos comprometidos e responsavéis. Andréia Santos-Jd Pres. Dutra/Guarulhos

Aline em 22/04/2010:
Gostei muito do conteúdo do artigo, há uma maneira de ir contra o que está acontecendo nas empresas? Como a minoria que sofre pode reverter o quadro para um ambiente bom para trabalhar? Acredito que não são todas as organizações que enfrentam este tipo de problema, mas a maioria passa por isso mas não fazem o seu papel para com o subordinado.

Antonio Jurandir Novaes em 22/04/2010:
Realmente essa situação tem sido a bola da vez, hoje estou aposentado, mas iniciei a minha vida profissional na área de RH na decada de 60. Esse tema é de relevante importância nos dias de hoje, há a necessidade da conscientização dos empregadores como um todo, eu acrescento nesse tema o "ASSÉDIO MORAL" (fato mais do que difícil para o empregado conseguir provar contra o seu empregador) mas existe e é um tema também muito preocupante para levar o empregado aos sintomas em questão. Costumo dizer que hoje para mim o empregador dá a impressão de que "EMPREGADO QUE PRESTA NÃO SERVE E O EMPREGADO QUE NÃO PRESTA SERVE", pois há uma perseguição eufórica desde a micro empresa como um consultório médico até uma macro empresa como grandes conglomerados, pelos empregados menos capacitados quando deparam com colegas de trabalho com maior poder de conhecimento e de decisão sobre os negócios da empresa e, o pior de tudo é que os empregadores ou não percebem ou parece até que incentivam essa prática por falta de preparo de liderança eficaz, que lhe falta competência para fazer imperar em sua própria empresa a harmonia entre capital x trabalho, e principalmente em relação comportamental de seus empregados. Lógicamente esse caso precisa por parte de todos, haver uma discussão mais ampla, envolvendo até a mídia com teatrinhos a respeito do assunto, entrando através da tv nos lares dos cidadãos, para tentar coibir ao máximo essa "BRUTALIDADE" inaceitável, etc.

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Seminários RH.com.br

8º ConviRH



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.