O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Obrigado a todos os participantes da 1ª Turma Jornada Virtual!
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






28/05/2013
RH » Qualidade de Vida » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Síndrome da segunda-feira

Por Denise de Moura para o RH.com.br

Muitos profissionais sofrem com a tal da "síndrome da segunda-feira", cujos sintomas são bastante conhecidos: domingo à noite, só em pensar que precisam retornar ao trabalho pela manhã, já começam a sentir dores de barriga, de cabeça, taquicardia. Se você é uma dessas pessoas, não se apavore, pois não está sozinho. Uma considerável quantidade de profissionais sofre ou já sofreu essas reações. A boa notícia é que é possível tratar essa síndrome de forma assertiva, mas para isso será necessário identificar suas causas reais. Veja a seguir algumas delas!

"Eu não queria que o final de semana terminasse"

A maioria de nós desejaria viver num final de semana eterno, não é mesmo? Ele é muito esperado justamente porque temos a oportunidade de fazer coisas que não realizamos durante a semana: ficar com a família, descansar, ler um livro, ver um filme. Se este é o seu caso, sugiro que estenda essas boas lembranças e sensações para a segunda-feira.
Mas como se faz isso?

Logo após o expediente, faça um programa diferente com a família ou com os amigos que provavelmente você só faria no final de semana. Vá ao teatro, ao cinema, a uma livraria ou dê um mergulho no mar. Geralmente, na segunda-feira esses lugares estão mais tranquilos e você irá se divertir muito mais. Ou fique em casa, mas faça um jantar especial para a sua família, assista a um filme, tome um vinho. Você terá a sensação de que o final de semana está mais longo. Quando perceber... já é terça-feira!

"Sempre na segunda-feira tenho excesso de prioridades"

Sabe por que isso acontece com a maioria das pessoas? Simplesmente porque na sexta-feira, por volta das 16h, tendemos a empurrar alguma atividade para a próxima semana e, com isso, passamos o domingo ansiosos pensando nas inúmeras demandas que precisamos entregar.

Se este é o seu caso, sugiro, em primeiro lugar, "deixar a casa arrumada" para a próxima semana. Toda sexta-feira à tarde, antes de ir embora, organize a agenda. Liste suas atividades e pendências, priorizando aquelas que deverão ser finalizadas logo na segunda-feira pela manhã. Ao se organizar, você conseguirá iniciar a semana com mais foco e menos estresse e provavelmente não passará o final de semana pensando nos processos que precisará entregar na segunda-feira pela manhã.

"Eu definitivamente não gosto do meu trabalho"

Se você não gosta do seu trabalho, muito provavelmente não sofre da Síndrome da Segunda-feira. Na verdade, todos os dias são extremamente desgastantes. Você está estressado, tem enxaquecas, gastrite, labirintite, fadiga muscular. Antes de pegar as suas coisas e pedir demissão, analise se o problema é esse mesmo.

Muitas vezes, enfrentamos dificuldades pontuais com um colega ou com um chefe ou nos percebemos tão acomodados, realizando as mesmas atividades por muito tempo, que tendemos a achar que não gostamos da empresa em que estamos ou que odiamos o nosso trabalho. Para sair desse impasse, comece fazendo as seguintes perguntas:

- O que eu sei fazer bem e as pessoas reconhecem como um dom meu?
- Quais atividades, em minha área, poucos sabem realizar com tanta desenvoltura e eficiência?
- Quais trabalhos eu desenvolvo com maior facilidade?
- Em quais momentos do dia no trabalho eu me sinto mais útil e realizado?

Quando responder a essas perguntas, você conseguirá identificar os seus pontos fortes e poderá utilizá-los como uma forma de ter de volta a sua motivação. Procure ficar em contato com as atividades que você sabe fazer bem, ajudando os seus colegas de trabalho. Se for o caso e havendo possibilidades, converse com o seu gerente e tente, talvez, mudar de atividades ou de setor dentro da empresa. Esta pode ser uma solução interessante, sobretudo se você gosta do local em que trabalha. Permanecer no emprego, mas com uma nova perspectiva é tão desafiante quanto abandoná-lo.

Em contrapartida, se definitivamente o trabalho não tem mais significado para você, está na hora de repensar a sua carreira. Tente visualizar todos os aprendizados adquiridos até agora e busque algo que lhe dará mais satisfação. Mas se lembre: se você não sabe qual caminho seguir, qualquer um serve. Não adianta apenas trocar de empresa. Será necessário montar uma estratégia de mudança.

Converse com profissionais que atuam na área que você deseja entrar. Entenda quais atividades irá desempenhar ao seguir esse caminho, assim como as dificuldades que terá de enfrentar neste novo mercado. Após ter certeza de que é isso que deseja para sua vida profissional, especialize-se!

Faça cursos e fique em contato com pessoas que já estão envolvidas com essas atividades. Verifique quais competências você precisará aprimorar para tentar uma vaga em uma empresa ou montar o seu próprio negócio.
Não é fácil mudar de carreira, sobretudo se você já tem uma idade mais avançada, mas não é impossível. É sempre melhor tentar uma nova possibilidade a passar a vida reclamando de uma profissão que não faz mais sentido e culpar a segunda-feira por todos os seus problemas.

A partir de hoje, trate a Síndrome da Segunda-feira com mais atenção. Você pode identificar questões que nunca imaginou estar vivenciando. Ao ter clareza das suas irritações, provavelmente conseguirá tratá-las com eficácia.

 

Palavras-chave: | qualidade de vida no trabalho | saúde | emoção |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
VÂNIA MARIA CERQUEIRA COSTA BASQUEROTTO em 21/06/2013:
MUITO INTERESSANTE, PARABÉNS!

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos

Programa de Autodesenvolvimento



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.