O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscrição com 20% de desconto para a Jornada de Liderança
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






30/03/2010
RH » Recrutamento e Seleção » Artigo Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

A utilização de dinâmicas de grupo em processos seletivos

Por Bárbara Borges para o RH.com.br

Todas as pessoas que já participaram de processos de seleção tiveram alguma experiência semelhante: o candidato chega na hora, está tenso, mas dá o máximo de si, interage da melhor forma tanto com o selecionador quanto com os demais candidatos, e realiza todas as atividades, embora às vezes não entenda bem qual a relação delas com o trabalho proposto. Ansioso para ser o "escolhido", está feliz por estar ali e, de repente, sem aviso, a dinâmica termina e o selecionador agradece e diz que vai entrar em contato com a pessoa escolhida. Ele, então, vai embora sem saber por qual razão teve que remar num barco imaginário ou pintar o seu animal favorito com giz de cera ou tinta guache...

Adoro trabalhar com dinâmicas em seleção - que vou chamar carinhosamente de DG daqui em diante. Mas, como todas as ferramentas de trabalho, elas devem ser usadas com o devido respeito e cuidado. Sabemos o quanto a DG é temida pelos candidatos, como ainda é considerada o grande fantasma dos processos seletivos. Cada um sempre busca uma receita infalível para não ser eliminado. As revistas especializadas sempre trazem matérias que tratam do assunto. Conheci candidatos que faziam até simpatias para reduzir a ansiedade na hora para atingir os objetivos dos exercícios e "passar" na terrível etapa. Nem a entrevista individual assusta tanto... Não é raro que os profissionais da área sejam abordados por amigos e parentes que pedem ajuda para esse momento. Tudo bem, não podemos dar conta da ansiedade das pessoas, mas uma coisa está dentro de nosso controle e pode e deve ser mais bem trabalhada: a etapa de processamento da atividade, de seus objetivos principais e sua relação com o cargo pretendido.

É muito frustrante chegar a um lugar com várias pessoas desconhecidas, competindo pelo lugar que você quer (e em seguida descobrir que elas são boas pessoas e talvez você até faça amigos ali), ser constantemente observado, depois compartilhar questões da sua vida pessoal e profissional com todo o grupo, investir na ideia de que o trabalho pode mesmo vir a ser seu, e quando tudo acaba não receber a menor explicação sobre o que aconteceu.

Para o candidato, o momento pode tornar-se algo sem sentido, aonde ele chegou, mostrou-se, deu o máximo e tudo terminou no vazio. Para o selecionador, diminuem as possibilidades de explorar mais o exercício e, consequentemente, obter mais informações sobre os candidatos - o momento de processamento de todas as atividades é extremamente rico e, também, sempre contribui para a formação da imagem que o candidato está construindo sobre a empresa contratante. Para o cliente do selecionador, podem faltar dados fundamentais, já que o trabalho não foi completo. Poderia mesmo ter sido mais rico.

Na verdade, essa etapa poderia ter gerado aprendizado, permitindo a todos um maior autoconhecimento. Por diversas vezes tive de explicar a pessoas próximas, - amigos e conhecidos - o que significa um processo de DG em seleção, pois eles simplesmente passaram por alguém que não fez isso. Algo que poderia ser uma boa experiência ficou reduzido a um momento sem sentido, como que uma brincadeira ou até falta de respeito, dependendo do ponto de vista do candidato.

Se você é selecionador, não descuide dessa etapa do trabalho. Mesmo em processos de seleção, é possível explorar o exercício de forma que ele produza conhecimento para o grupo. Alguns profissionais não sabem disso ou não consideram importante, contribuindo para aumentar o fantasma da DG. O conhecido CAV - ciclo de aprendizagem vivencial - tão utilizado em treinamento, pode e deve ser aplicado em seleção. Claro que o foco em seleção é outro, mas o espaço de aprendizado deve estar sempre aberto.

Sempre questione aos seus candidatos o que foi feito ali, quais os possíveis objetivos dos exercícios, como se sentiram durante a realização, como isso se aplica ao processo/cargo e, ainda, o que estão levando daquele lugar. Deixe seu candidato expressar-se. E explique de uma maneira simples e clara os objetivos dos exercícios realizados. Ao final, lembre que não há candidato bom ou ruim, mas sim aquele que é mais adequado ao cargo daquela empresa naquele momento e que os não contratados podem ser contratados num futuro próximo. Isso realmente pode acontecer e embora seja óbvio, nem sempre seus candidatos sabem.

Você não está prometendo nada que não possa cumprir e está deixando claro o respeito por quem está ali. Ao contrário do mágico que não revela seus truques, ali não há truques, mas exercícios que foram escolhidos por um profissional da área de Recursos Humanos para apoiar as decisões durante um processo de seleção, que na maioria das vezes já teve ou terá outras etapas. Não há razão para que algo assim não seja feito. Diversos autores conceituados já publicaram vários livros tratando do assunto. Não há mistérios quanto a isso, mas ainda é preciso resgatar esses conceitos.

O problema é tempo? O tempo do processo é puro investimento. Portanto, basta se organizar. A empresa ganha, pois se mostra séria, organizada e respeitosa para com suas pessoas. O selecionador ganha, pois consegue uma proximidade maior de seus candidatos, e, com isso, maior segurança na tomada de decisão. O candidato ganha, pois se sente mais respeitado e talvez consiga compreender melhor caso não seja o escolhido, e talvez numa próxima oportunidade sinta-se mais seguro e tenha resultados melhores. Se for o selecionado, melhor ainda. Ganha o RH, que transforma aos poucos a imagem dessa etapa há tanto tempo tão polêmica. Não há mais espaço para isso. Você não pode dar conta da frustração dos que não foram contratados, mas precisa levar informações básicas a essas pessoas que responderam ao seu convite, sejam elas. Essa responsabilidade é do selecionador e sem cumpri-la seu trabalho não estará realmente completo.

 

Palavras-chave: | dinâmica de grupo | seleção | recrutamento |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (2)
Valquiria Soares de Matos em 13/05/2010:
Parabéns, Bárbara! Se alguns selecionadores tivessem essa postura que você relata... Participei de um processo seletivo, e não me senti confortável devido a postura do selecionador, que chegou atrasado: quase 1 hora depois. No decorrer do processo perguntou se alguém já tinha participado para a empresa XPTO, caso fosse positivo respondeu que seria viagem perdida. O processo foi rápido, pois o selecionador informou que no período da tarde (e já era), outro selecionador iria ocupar aquele espaço, para outras entrevistas para a mesma empresa XPTO. Conclusão: deu a impressão que teria que terminar logo, embora todos já haviam sido entrevistados. Não estou generalizando, sei que existem profissionais capacitados no mercado, mas um pouco de planejamento não faz mal a ninguém.

Luciano Muchiotti em 30/03/2010:
Muito bom seu texto Bárbara. Acredito que tanto quanto você, sonho com um processo bem resolvido como você relatou. Infelizmente muitos profissionais não tem a sensibilidade necessária para tudo isso. Mas, temos a missão em oportunidades como essa de dizer publicamente como deve ser feito. Parabéns.

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Programa de Autodesenvolvimento

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.