O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Participe do 8º Congresso de RH pela Internet.
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






16/03/2009
RH » Relações Trabalhistas » Dicas Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

15 perguntas para serem usadas durante a Entrevista de Desligamento

Por Patrícia Bispo para o RH.com.br

A Entrevista de Desligamento é uma ferramenta fundamental para as empresas que valorizam a prática do feedback. Quando conduzido corretamente o processo permite que a organização conheça que imagem o ex-funcionário leva em relação à conduta da própria empresa e até dos colegas de trabalho. Lembro que o profissional tem a liberdade de aceitar ou não de participar dessa entrevista. Abaixo, listo algumas questões que podem ser usadas para identificar as ações organizacionais fortes e as que precisam ser modificadas, para que os talentos não abandonem o "barco".

1 - Quais os motivos que o fizeram pedir demissão (caso o desligamento seja voluntário)?

2 - Que imagem da empresa você levará ao se desligar de suas atividades?

3 - A empresa ofereceu as oportunidades necessárias ao seu desenvolvimento profissional?

4 - Houve algum fator específico que dificultou a ascensão da sua carreira em nossa organização?

5 - Qual sua opinião sobre o nosso ambiente físico?

6 - Você tem alguma sugestão para a empresa melhorar as instalações físicas?

7 - Como você vê a sua relação com seu ex-gestor, no período em que atuaram juntos?

8 - Como foi o seu relacionamento com os ex-colegas de trabalho do seu departamento?

9 - Durante sua permanência na empresa, que pontuação de "zero a dez" você daria aos demais setores da organização? Por que você escolheu essa nota?

10 - Dos programas desenvolvidos pela organização, qual o que mais atendeu suas expectativas e qual o que precisa ser revisto?

11 - Qual a sua opinião em relação aos nossos canais de comunicação interna?

12 - Em que podemos melhorar, para que os funcionários fiquem bem informados sobre assuntos relacionados à empresa?

13 - Você tem algum comentário a fazer sobre o trabalho desenvolvido pela área de Recursos Humanos?

14 - Você voltaria a trabalhar conosco? Por quê?

15 - Gostaria de dizer algo a mais, sobre qualquer assunto referente ou não à empresa, antes de terminarmos nossa conversa?

Palavras-chave: | Entrevista de Desligamento |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (19)
Valquiria Soares de Matos em 10/11/2009:
É um momento muito delicado, mas infelizmente esse meio não é muito utilizado, e quando se utiliza muitos omitem o resultado, pois envolve ética, respeito e , principalmente, profissionalismo.

Vanessa Silva em 17/10/2009:
Nunca vi a entrevista de desligamento ocorrer quando o funcionário é demitido, mas sim ao contrário. Não existe interesse em saber o que ele tem a dizer? Isso gera frustração. Já vi casos em que o funcionário ligou para a casa do chefe para saber o porquê da demissão. Apesar da falta de bom senso da pessoa, acredito que as empresas ainda precisam melhorar este momento, que não é nada fácil para o empregado.

Andre em 15/10/2009:
Essa pergunta reflexiva que vou fazer, destino a todos internautas e colaboradores do site. Creio que essas perguntas da entrevista de desligamento poderiam ser feitas durante a vida que o colaborador passa na empresa e não quando ele está passando por um processo de desligamento. Pois sendo assim, provavelmente o colaborador nem pensará em deixar a empresa... Como seria bom encontrar mais empresas no Brasil preocupadas com esse feedback.

Tiago Machado em 15/10/2009:
Bacana o artigo. Na entrevista de desligamento o ex-empregado tem maior liberdade e acaba "desabafando". Já na pesquisa de satisfação o empregado ainda está na empresa e acaba tendo receio de "retaliações". Aliando esses dois processos temos obtido um bom feedback dos empregados.

LILIANE DA CONCEICAO ALEXANDRE em 17/09/2009:
Acho muito importante as organizações fazer uma entrevista de desligamento. Quando ela é bem elaborada e porteriormente respondida com sinceramente a empresa consegue com o questionário identificar várias falhas ou mesmo acerto para que a melhoria seja continua.

André Luiz Jordão Neves em 29/06/2009:
É de alta importância porque um dia o profissional poderá voltar a trabalhar. E não é o caso de fica calado, mas sim ter cautela nas palavras, Porque isso pode conta mais tarde.

sandra em 25/06/2009:
Se transformar a entrevista em um questionário o funcionário terá mais liberdade de responder. Pois em cidades pequenas, há a preocupação em dizer o que se pensa, devido a rádio peão entre as empresas. O discurso de empresa feliz e uso desses questionários pelo RH para melhorar é controvertido. Sou de RH e ainda o RH não é estratégico suficiente para certos tipos de decisão. Outra coisa a entrevista deve medir porque ele está indo embora e não sua satisfação, isso deve ser feito antes. Em estudos realizados e publicados descobri que o ponto demissional são dois, salário e reconhecimento. Como agir antes de perder o funcionário? Pesquisa de satisfação e ações que chamo de corpo a corpo do RH, a de desligamento é para saber onde a empresa não acertou.

Carlos Jamil Taissun em 13/05/2009:
Compreendo que a entrevista do desligamento de fato possa ser especialmente difícil e até traumática para algumas pessoas, contudo, também entendo que para outras isto venha ser um passo bastante significativo sim , porém, admitido como necessário para o momento e não essencialmente definitivo. A maturidade e o nível de comprometimento sem dúvida têm peso considerável nesta condição, sendo que em minha análise selam na melhor medida o compromisso estabelecido entre as partes – Organização e profissional – tanto no período de relacionamento, durante o vínculo, como depois, posteriormente ao desligamento, quando os valores da ética devem ser devidamente observados e mantidos. O diferencial pode estar justamente na proposta, na prontidão pessoal de manter tal compromisso, seja este profissional em questão um Gestor ou não. Desta forma, tenho convicção de que as opiniões contidas neste fórum, mesmo aquelas antagônicas, traduzem exatamente esta minha impressão, pois efetivamente percebo que todas têm seu principal referencial nas próprias personalidades, nas suas mais vivas experiências e expectativas ; nossos posicionamentos podem revelar nossos sentimentos, como os efeitos dos relacionamentos em nossas próprias vidas. Se a convivência no trabalho se mostra proveitosa e gera bons resultados, provavelmente o profissional tirará boas referências daquele ambiente onde passa a maior parte de seu tempo social útil. Portanto concordo com alguns Colegas que as 15 perguntas conclusivamente sirvam sim para que os profissionais de RH / Pessoas possam elaborar seus estudos, projetos e também para a reavaliação de planejamentos e a condução de ações diversas. Concordo que a Organização tenha de reunir e trabalhar tais indicadores como espécie de feedback, para seu enriquecimento e autoconhecimento, focada na busca de constantes melhorias de processos e políticas de valorização da qualidade em todos os seus segmentos. Isto favorece sua estrutura de relacionamento e traz francos resultados em benefício de seus Clientes, Colaboradores e Mercado. Uma dúvida que tive com relação à pergunta nº 9, já que a compreendi de forma mais genérica . Imagino que a maioria dos Colaboradores não tenha possibilidades mais amplas de conhecer outros setores da Organização. Talvez, pudesse ser desenvolvido um programa de estágio opcional em outros setores, como permanência temporária ou prêmio por destaque de performance, para aqueles Colegas que fossem avaliados como diferenciados ; por exemplo, tais funcionários poderiam optar por conhecer atividades de outras Supcias. / áreas e processos de seu interesse por pequenos prazos de visitação àquelas Equipes... Atto., Carlos Jamil – ex Colaborador

Bia Melo em 06/05/2009:
Gostei deste artigo, achei bem profissional, o que poderá permitir em que grande maioria das perguntas sejam respondidas com sinceridade. Pois o funcionário não é obrigado a fazer este questionário e nem a responder todas, ele poderá responder a aquelas que se sentir a vontade, mas acredito que ainda seja muito complicado se colocar em uma posição muito crítica e negativa, pois é um documento que pode não ficar só na mão do RH, dependendo da estrutura da organização. Sds

Lilian Cipriano em 06/05/2009:
Discordo do comentário do Paulo Seemann. Na verdade, ao ser desligado, o funcionário não tem mais pq se calar. E às vezes, vai poder dizer coisas que estão invisíveis aos olhos dos lideres da empresa. É lógico que nenhum profissional de RH é criança. São pessoas capazes de identificar elogios e críticas e se utilizarem desse questionário como uma ferramenta utilíssima, capaz de detectar fogo onde ainda não há fumaça...

Paulo Seemann em 23/04/2009:
Concordo com o Jair,"...o que motivaria o profissional a responder com sinceridade a este questionário...", tais perguntas devem ser uma constante para o RH, enquanto o profissional trabalha na organização. Com a saída deste colaborador, suas respostas, caso responda, podem não refletir a verdade dos fatos, tornando este questionário um procedimento sem efeito prático.

Kelly Silva em 16/04/2009:
Muito oportuno o artigo que nos permite refletir sobre a importância da Entrevista de Desligamento, por meio deste canal podemos avaliar os fatores que desencadeam a decisão, principalmente, em casos de demissão voluntária

Cynthia em 08/04/2009:
O que motiva o funcionário a responder as perguntas é que ele não terá nenhum compromisso ou vínculo que possa de impedí-lo de falar o que pensa. Muitos dos funcionários ficam receiosos de fazer qualquer questionamento, ou opinar sobre algo por medo. E em uma entrevista em qual ele não tenha mais vínculo, falará abertamente! Dar um resultado muito positivo, a empresa pode avaliar tb suas falhas. Grata

Janaina em 20/03/2009:
Concordo com o comentário do Jair, que diz: "...o que motivaria o profissional a responder com sinceridade a este questionário...", porque, imagino que tais perguntas devem ser feitas enquanto o profissional trabalha na organização. Quero entender o contexto ou qual a mensagem pode-se tirar das respostas do questionário. Grata.

ANDRÉIA SANTOS em 20/03/2009:
ACHEI INTERESSANTE ESTE QUESTIONÁRIO, PORQUE ELA DARÁ UM RETORNO DO ANDAMENTO DA EMPRESA. MUITAS VEZES OS COLABORADORES SÓ PODEM OPINAR NESTE ULTIMO MOMENTO. GRATA ANDRÉIA

Jair em 20/03/2009:
Não sei o que motivaria um profissional que está deixando uma empresa a ser sincero em suas respostas à perguntas que deveriam ter sido feitas enquanto ele atuava na empresa e não quando ele se desligou? Se o autor das perguntas tiver essa resposta, agradeço se puder me informar. Jair

Marta em 19/03/2009:
Olá! Muito obrigada pelas dicas, mas como ainda não atuo nessa área, tenho uma dúvida: No momento em farei essa entrevista, como registrar as respostas? Se eu for anotá-las, posso prolongar demais a conversa; Se for utilizar um gravador, posso constranger o entrevistado e se for fazer as anotações no final, pode ser que eu esqueça de algum detalhe importante. Desculpem-me a ignorância, mas preciso tirar essa dúvida :) Grata!

Triana Morena em 19/03/2009:
Parabéns! Achei bastante oportuno, e de muita relevâncias, pois as empresas costumam traçar o perfil do desligado, mas não procura saber de forma inteligente quais os motivos que levaram aquele empregado pedir seu desligamento, pois atualmente estamos vivendo num mundo de interação, e isso seria até mesmo pra avaliarmos nosso trabalho e atuação do RH, dentro da Empresa..

Mario Ximenes em 18/03/2009:
Eu acrescentaria: Você indicaria esta empresa para outro prosissional ? E mais você acha que esta empresa lhe proporcionou ou proporciona oportunidades ?

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Seminários RH.com.br

8º ConviRH



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.