O site de referência sobre Gestão de Pessoas.
Inscrição com 10% de desconto para a Jornada de Liderança
Pesquisar
« Pesquisa Avançada »






05/05/2009
RH » Salários e Benefícios » Coluna ABRH Nacional Enviar Comentar Compartilhar Imprimir

Consultor ganha mais do que empregado

Por ABRH Nacional para o RH.com.br

A opção pelo negócio próprio pode ser uma alternativa para aqueles profissionais que estão buscando emprego, mas sem conseguir. Em muitos casos, atuar como consultor pode proporcionar uma remuneração maior do que como empregado. A opinião é do presidente da ABRH-DF, Manoel Oliveira.

"Tenho visto egressos de faculdades com formação em psicologia que abrem uma pequena empresa de Recursos Humanos, ou que se colocam como consultores juniores em empresas já estabelecidas. O mesmo acontece em informática e administração, só para falar das áreas que temos mais contato aqui na ABRH-DF. Profissionais que começam a atuar como consultores nessas áreas podem ainda não ter senioridade, mas já estão trilhando um caminho que levará a não dependência de um emprego. Uma vez superada a fase inicial, o ganho é maior como consultor do que como empregado, o que leva muitos jovens a abandonarem a busca por um emprego", assinala.

Para Elaine Saad, presidente da ABRH-SP, iniciar um negócio próprio é uma ótima iniciativa em tempos de crise, mas ela adverte que a maioria das pessoas que decidem abrir uma empresa não fazem um planejamento adequado, pois não é qualquer produto ou serviço que terá bom mercado em momentos de crise econômica. "Na prática, é preciso que o empreendedor reúna algumas características pessoais para ampliar suas chances de sucesso como empresário", alerta.

Sandra Camelo, vice-presidente da ABRH-PE, acredita que a falta de empreendedores no Brasil se deve a um modelo educacional que não prepara as pessoas para vivenciarem com êxito essa experiência. "Os programas de educação empreendedora realizados nos EUA têm como principal objetivo preparar e motivar as pessoas a criarem seus próprios negócios. Esses cursos enfatizam o desenvolvimento de habilidades e conhecimentos técnicos, orientados para negócios que visem lucro financeiro, algo que é estimulado no cidadão desde o ensino fundamental. No Brasil, infelizmente, as pessoas são educadas para serem empregados ou funcionários públicos, uma vez que nem mesmo em cursos de graduação os estudantes recebem a visão do que é ser empreendedor", critica.

Para Camelo, a educação empreendedora é um modelo singular, porque a simulação de negócios encontra-se inserida no modelo de aprendizagem. Além disso, ela lembra que nos Estados Unidos um empreendedor abre um negócio com poucos documentos, em apenas 24 horas, enquanto que, no Brasil, é algo mais penoso e custoso de se fazer.

Mas Sônia Gurgel, presidente da ABRH-PR, adverte que o empreendedorismo exige serenidade e consciência, pois há casos de pessoas que comprometem a poupança, que poderia mantê-las em um período de crise, com um negócio mal-sucedido, um alerta que é compartilhado por Jocélio Soares, presidente da ABRH-RN.

"Nem todos nascemos para sermos empreendedores, mas quando decidimos sê-lo, é importante que o investimento seja feito em atividades que conhecemos. Sabemos que em torno de 80% das microempresas que são abertas fecham até dois anos depois. Abrir seu próprio negócio é um desafio e um desejo que muitas vezes deve ser postergado até o momento em que se tenha maturidade e capital necessário para tal. Tudo bem que em época de crise as oportunidades surgem com maior frequência, mas também a instabilidade é maior. Enfim, empreender é calcular riscos e traçar cenários futuros, uma habilidade que poucos têm", explica.

Segundo Ângela Abdo, Presidente da ABRH-ES, dados do Global Entrepeneurship Monitor, que analisa o empreendedorismo em 37 países, apontam que o Brasil é a nação que mais empreende por necessidade, ou seja, as pessoas abrem seus negócios empurradas pela falta de emprego. "Muitos desses casos são de profissionais que, cansados de esperar uma recolocação no mercado, decidem partir para um novo empreendimento Apesar de não faltarem exemplos de executivos bem-sucedidos como empreendedores, muitos profissionais brilhantes destroem parte de seu patrimônio na aventura, seja por otimismo demasiado ou apenas por falta de conhecimento no negócio", alerta Abdo.

Fonte: e-Press Comunicação

Palavras-chave: | salário |

  • O que você achou? Avalie:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Enviar Comentar Compartilhar Imprimir
CONTEÚDO RELACIONADO
COMENTÁRIOS (1)
Marcos Costa em 14/05/2009:
Parabéns pela matéria. Concordo com sua visão, muitas vezes a falta de oportunidade faz com que as pessoas invistam seu tempo e dinheiro em um projeto mal estruturado. Sou aluno da FIZO/SP do curso de Gestão de Recursos Humanos e estou com um projeto em andamento este projeto é uma Consultoria em RH on-line. Se possível, peço que vocês acessem e deixem algumas sugestões ou criticas. O endereço é gthconsultoria.blogspot.com.

 
PUBLICIDADE
Produtos RH.com.br

+ lidas
+ comentadas
+ enviadas
+ recentes
Produtos RH.com.br

Programa de Autodesenvolvimento

3ª Jornada Virtual de Recursos Humanos



RH.com.br no Twitter


PUBLICIDADE
Os textos publicados não representam, necessariamente, a opinião dos responsáveis pelo site RH.com.br. Confira o nosso Termo de Responsabilidade.
Todos os direitos reservados. É expressamente proibida qualquer reprodução.